Bafões   Diversão   Instagram   Música   Noite   Notícias   Sensual   Shows   Twitter

 Rock in Rio

   

Iron Maiden 'show de game', Scorpions do Brasil e adeus, Slayer: o resumo do 5º dia de Rock in Rio

 

Sexta-feira (4.10) de festival também teve Helloween lendário, inédita do Sepultura e estréia de Anthrax. Iron fez show grandioso com adereços e Scorpions cantou 'Cidade Maravilhosa'

O dia do metal voltou ao Rock in Rio na edição de 2019, nesta sexta-feira (4), com uma programação que formou um mar de camisas pretas na Cidade do Rock. 

Após protestos de fãs, o Rock in Rio decidiu retomar a tradição e a ideia pelo jeito deu certo. Em 2017, pela primeira vez o festival não teve uma noite inteiramente dedicada a artistas do gênero. 

No palco deste ano, o Iron Maiden foi a atração principal, mas pediu para tocar antes do Scorpions. 

O primeiro fez um show teatral. Levou cenários e figurinos diferentes, lutinhas e tesouros do metal. Já o segundo cantou "Cidade Maravilhosa" e usou mesma guitarra verde e amarela de seu show em 1985 no festival. 

Antes, Helloween - que substituiu Megadeth na programação - já havia dado o tom pomposo, com sonoridade afinada à do Iron e formação lendária. Já o Sepultura, que abriu a noite no Palco Mundo, apresentou uma música inédita de seu novo disco, previsto para 2020. 

No Sunset, o trio feminino Nervosa disparou uma sequência de composições thrash. Mais tarde, Slayer lotou a plateia em um show de sua turnê de despedida. 

A sexta também foi marcada pelo retorno das crianças à Cidade do Rock após liberação da Justiça. Teve até bebê de colo já caindo no Rock, como o pequeno Luan, de 7 meses. Na quinta, uma decisão da 1ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso do Rio de Janeiro proibiu a entrada de menores de 5 anos no festival.

 

Iron Maiden

Teve cenário diferente a cada música, Bruce Dickinson encarnando vários heróis, lutinhas, monstros e tesouros do heavy metal. O Iron Maiden fez um grande "show-videogame" no festival e vai ser difícil superar as alegorias e adereços no palco deste Rock in Rio - até nos shows de artistas pop. Mesmo sem encerrarem a noite, a pedidos da própria banda, o som continua poderoso.

 

Scorpions

Não bastou tocar “Cidade Maravilhosa”. Simpáticos e românticos, mas ainda tocando com peso o suficiente para estarem no dia do metal, o Scorpions fechou o dia e usou a mesma guitarra verde e amarela do festival de 1985. Quem ficou até o fim viu o show mais romântico da noite, principalmente a parte acústica com "Send me an angel" e, já plugada, a imbatível "Wind of Change".

 

Helloween

No show com uma formação que une todos seus membros considerados lendários, os vocalistas Michael Kiske e Andi Deris e o guitarrista original Kai Hansen agitaram o público de seu power metal. Se isso não fosse o bastante, os alemães provaram que mereciam a promoção pro palco Mundo com uma apresentação focada nas duas partes de seus discos clássicos batizados “Keeper of the seven keys”, de 1987 e 1988.

 

Sepultura

A banda mineira começou a se apresentar com o Sol ainda brilhando e mais espaços vazios que de costume para a apresentação inicial do espaço, o maior do evento. Para segurar a platéia, fez um show sem grandes riscos, com foco no repertório do disco "Roots". A surpresa foi a inédita "Isolation", uma das faixas do novo disco, "Quadra", previsto para 2020, e uma homenagem a Andre Matos, cantor de Angra e Shaman, que morreu em 2019, aos 47 anos.

 

Slayer

A banda de thrash metal fez muita gente com camisa do Iron Maiden perder uma posição mais nobre perto do Palco Mundo. Segundo integrante do seleto grupo dos Big 4 a tocar no Sunset (depois do Anthrax), o Slayer repetiu a velocidade de riffs e solos já ouvida no Rock in Rio 2013. Sabendo ou não da provável despedida, já que o show faz parte da "Final World Tour", os fãs lotaram a frente do Palco Sunset como em nenhum outro show até agora no espaço secundário.

 

Anthrax

O Anthrax, considerados uma das quatro grandes do thrash metal, começou sua estreia no festival com pontualidade invejável, clássicos e um público digno de palco Mundo. Com uma apresentação enxuta (menos de uma hora), mas memorável, os americanos com grande parte de sua formação clássica mostraram que merecem um lugarzinho entre as atrações principais na próxima vez.

 

Torture Squad & Claustrofobia convidam Chuck Billy

As chances de dar errado eram escassas - e, de fato, não deu. A mistura de representantes selecionados do death/thrash garantiu, pelo menos até agora, talvez a sintonia mais direta entre público e banda no festival. Os brasileiros serviram como bom aquecimento para Chuck Billy, voz da seminal banda Testament. Acompanhado dos demais, ele disparou em sequência “Disciples of the watch”, “Practice what you preach” e “Electric crown”.

 

Nervosa

O power trio de Thrash Metal formado por Fernanda Lira, Prika Amaral e Luana Dametto apresentou um set conciso, mas bastante representativo do trabalho apresentado pelo grupo em outros palcos do mundo. A banda fez críticas à mistura entre religião e política e apresentou canções que funcionaram como um rolo compressor sonoro thrash.

 

Infected Mushroom

No palco New Order teve os DJs Infected Mushroom para o delírio de quem gosta de música eletrônica. 

         

COMENTE

Mande sua opinião


Nome:

E-mail:

Telefone:

Mensagem:
;

 

Mais Notícias

» Red Hot e Nile no suingue, Panic! frenético e Capital cansado: o resumo do 4º dia de Rock in Rio

 

» Bom Sucesso’, novela da Globo, mostra beijo gay e público comemora

 

» Após reinauguração, Havanna em Contagem (MG) tem mês de setembro memorável

 

» Socialite Gean Oliveira marca presença na inauguração da Casa Cor Minas 2019 em BH

 

» Grife Carioca Wear lança coleção moda praia verão 2020 em desfile cheio de modelos bonitões

 

» Modelo da Coréia do Sul vence o Mister Global 2019

   
  

                                       

 

 FERVECAO.COM - Copyright (c)